Resenha: "O Duque e Eu" e "O visconde que me amava"

segunda-feira, dezembro 30, 2013

Ok, este é um post "dois-em-um" mas estou me esforçando para que possa valer a pena. Provavelmente valerá, caso você goste de um romance... 

Basicamente estou aqui hoje para falar dos livros "O Duque e eu" e "O Visconde que me amava",  respectivamente o primeiro e segundo volume da série 'Os Bridgertons", escrita por Julia Quinn. Como você pode imaginar, são romances de época, mas escritos de modo surpreendente. Confira:


Título: "O duque e eu" - Os Bridgertons, volume I
Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro - 288 páginas
Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo.
Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.
Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.



Título: "O Visconde que me amava" - Os Bridgertons, volume II
Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro - 288 páginas
A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.
Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.
Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele.
Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.



Beleza. Apresentações feitas e vamos ao que interessa. Encontrei esses ebooks no meu kindle e estava relutando em lê-los. Confesso que a capa estava afastando qualquer entusiasmo meu nesse sentido ("não julgue um livro pela cara", já dizia o grande filósofo). Mas ok, com a perspectiva de um fim de semana sem internet e sem condições de escrever, resolvi abrir o Kindle e procurar algo promissor. Mesmo atochado de ebooks, decidi agir como uma mulher quase sempre age em frente a um guarda-roupas abarrotado: "não tenho nada o que vestir / ler!"

Após muito fuçar, encontrei "O Duque e Eu" e resolvi arriscar. E putz, por que eu não fiz isso antes? Eu praticamente DEVOREI o livro. É um romancezinho de época com personagens impagáveis, linguagem fácil e leitura leve, ágil e engraçada (e um pouquinho de sexo também, mas nada muito grave. Nada que uma Nora Roberts não faria.). Excelente de ler, em todos os sentidos! O mesmo aconteceu quando li "O Visconde que me amava". Já estou encantada com a Família Bridgertons e seus personagens!

O sucesso dos livros atualmente já é tanto que muita gente vem comparando Julia Quinn a Jane Austen. Isso eu já acho exagero, embora a época e alguns dos personagens que elas descrevem em suas histórias seja semelhante o bastante para que haja a tentação de ir pelo caminho mais simples. 

Na prática, Jane Austen sempre será Jane Austen, porque fazer o que ela fazia, naquela época e daquele jeito, elimina qualquer chance de comparação. aliás, Muito do que julgam semelhante entre Austen e Quinn vem da forma irônica de descrever alguns de personagens, mas convenhamos: é muito fácil ser irônico atualmente. Qualquer um consegue. No caso de Jane Austen, fazer isso na época em que fez e ainda obter sucesso, faz com que ela esteja longe de qualquer comparação nesse sentido. Mas isso não elimina o brilho dos livros da Julia Quinn. São ótimos!

No momento, encontrei em português somente os dois que descrevi acima, quando na verdade ainda faltam vários livros para terminar a coleção. Estou ansiosa para ler os demais e continuar me deixando levar por histórias envolventes e leves como essas.

Quatro corujas para os dois!


Leia também!

0 comentários

Não se acanhe e deixe seu comentário.
Mas não aceito comentários esdrúxulos, ofensivos, com erros, preconceituosos... Ahh, você me entendeu.

Google+

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Resenhas

Sensacional!

Muito bom!

É bom...

Já li melhores.

Horrível