Resenha: O Desafio, de Rachel Van Dyken

segunda-feira, agosto 03, 2015

Um pretenso casal jovem que não se entende de modo algum. Ele, um projeto de macho alfa porém um típico babaca e ela, uma garota apaixonada que já teve uma grande decepção com o sujeito e várias outras na vida. Esse é um dos clichês do gênero new adult? Sim, mas eu me arrisquei e li do mesmo jeito. E talvez eu devesse ter deixado para mais tarde...




Como vai? Quer dizer, faz tanto tempo!”
Na verdade, fazia onze meses, uma semana e cinco dias. Mas quem é que estava contando? Não ela.
Jake Titus é rico demais, bonito demais e arrogante demais: qualidades que, anos antes, fizeram Char Lynn viver com ele a melhor noite de sua vida — e em seguida a pior manhã, quando ele a dispensou. Agora terão que se reencontrar no casamento de Kacey, a melhor amiga dos dois. Seria uma situação estranha, mas suportável... Se vovó Nadine não tivesse sido desafiada a uni-los.
Como padrinho e dama de honra dos noivos, Jake e Char têm que passar cada vez mais tempo juntos. Ele é um galinha mimado, e ela é uma garota maluca. Então por que não conseguem resistir um ao outro?
Quando Jake para de se comportar como um babaca e começa a agir como o homem que Char sempre teve esperança de que ele pudesse ser, fica cada vez mais difícil lembrar que ele já a magoou. E agora Jake vê nela tudo que sempre quis — só precisa fazer Char acreditar nisso.
O desafio é a continuação de A aposta, da autora best-seller do New York Times Rachel Van Dyken.

Bom, eu li "A Aposta" durante uma época de hiatus desse blog. Sequer pensei em resenhar na época, e agora estou aqui pensando que, se fosse para resenhar algo, preferia ter feito isso com o primeiro livro. Uma questão de preferência pela sinopse, ou pelo rumo da história em si. Mas vamos por partes:

Em "O Desafio" temos Jake Titus - um babaca mimado projeto de macho-alfa - e Char - uma das conquistas que ele deixou no caminho e que sofre por baixa autoestima, não somente no amor, mas em tudo, principalmente por influência de sua própria família. Ela o ama, mas obviamente ele é um babaca mimado, o que torna as coisas mais difíceis. A proximidade forçada devido ao casamento os coloca em situações bizarras, em especial aquelas provocadas pela vovó mais adorada (e louca) dos new adults, capaz de fazer corar até mesmo os jovens mais abertos aos prazeres da luxúria. Essas situações são bem variadas e capazes de despertar a risada da maioria dos leitores costumazes do gênero. E devo admitir que a autora é muito boa em fazer seu público rir, mesmo quando os acontecimentos são extremamente forçados. Esse potencial cômico é capaz de aliviar muitos problemas que surgem, mas não todos.

Em geral os new adults com os quais tenho mais contato sempre me frustram em algum ponto ou outro. Não que eu me importe em excesso pois quando embarco na leitura de um deles é para limpar a mente e me divertir, mas alguns pontos sempre incomodam. E claro que eu tive meus pontos de incômodo aqui. Em vários momentos a autora simplesmente parecia buscar pretextos que pudessem aumentar o número de páginas. É como assistir uma novela que teve de ser prolongada de repente: os acontecimentos perdem a liga, o interesse acaba fragmentado, a linha de pensamento da história é prejudicado pela entrada de situações que não mereceriam grande destaque ou número de páginas ou capítulos para serem resolvidos. Senti que o livro poderia ter terminado mais cedo sem que algo se perdesse.

Conforme mencionei em parágrafos acima, acho que eu teria gostado mais de resenhar "A Aposta", o primeiro livro. Atribuo isso ao relacionamento do primeiro casal - inclusive, o casamento de "O Desafio" é deles - ser mais saudável aos meus olhos do que o desenvolvimento dos atuais protagonistas. Ok, histórias problemáticas são regras para entretenimento afinal não há trama que se desenvolva sem problema, mas para mim só servem dentro da ficção e não em uma realidade. Em "A Aposta" também ocorreram problemas que retiraram o foco inicial, mas fui capaz de me divertir mais com sua leitura do que em "O Desafio", embora este tenha outros pontos fortes, como o tratamento concedido aos problemas de baixa autoestima de Char e a forma como Jake lidou com esse tipo de situação. Ou a forma que o personagem conseguia superar a babaquice habitual e agir como uma pessoa de verdade.

Avaliação:


Se tem algo que me agrada no trabalho de Rachel Van Dyken é o potencial cômico de sua narrativa. Foi por esse motivo que me diverti em "A Aposta" e pelo mesmo motivo investi em "O Desafio". Infelizmente o retorno não rendeu o que eu esperava. Nada que me faça desistir da autora, mas talvez me faça colocar os próximos trabalhos em posições mais abaixo em uma lista de prioridade na leitura. É divertido, porém descartável, e os pontos fracos surgiram em maior frequência que os pontos fortes então duas corujas é uma cotação razoavelmente boa.



Leia também!

0 comentários

Não se acanhe e deixe seu comentário.
Mas não aceito comentários esdrúxulos, ofensivos, com erros, preconceituosos... Ahh, você me entendeu.

Google+

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Resenhas

Sensacional!

Muito bom!

É bom...

Já li melhores.

Horrível