Resenha: Como Água de Chuva, de Sandra Brown

domingo, agosto 02, 2015

Este romance de Sandra Brown foge dos estereótipos e modelos de seus outros livros apimentados e cheios de suspense. Aqui temos uma história de amor, mas ao mesmo tempo o retrato de uma época de crise no meio oeste dos Estados Unidos.






Sinopse:

Uma história sobre o amor, o caráter e a compaixão, encenada nos Estados Unidos da época da Grande Depressão. A protagonista é Ella Barron, dona de uma pensão que vive para o trabalho e a criação de Solly, um garotinho fechado em um mundo próprio, que costuma despertar nas pessoa um misto de curiosidade e medo. A chegada de um novo hóspede abala as convicções de Ella, numa trama que trata, com delicadeza e a prosa contagiante de Sandra Brown, de temas como honra, sacrifício, amor e preconceito.


O livro
O ano é 1934. Vários fazendeiros da região onde Ella Barron mora com seu filho sofrem com uma longa estiagem. Por determinação do governo, os rebanhos precisam ser exterminados e os fazendeiros recebem uma ninharia como compensação pelo abate forçado. Ella acompanha todas as tensões que existem na cidade de sua pensão, a antiga casa de seus pais, onde consegue sustentar o filho que é tido como problemático. Na verdade, Solly de 10 anos tem autismo, mas na época ele era só um garoto esquisito, motivo de risos.

Ella, sentindo a recessão batendo na porta, recebe um novo hóspede em sua pensão, seguindo uma recomendação do médico da cidade. David Rainwater (daí o nome do livro), é um homem jovem, distinto e muito educado, que está padecendo de câncer e vai para a pensão passar seus últimos meses de vida. Ele logo se afeiçoa a Solly, dando-lhe a atenção necessária, mesmo que a contragosto de Ella, abandonada pelo marido e muito desconfiada de qualquer homem benfeitor.


Ella, David e alguns fazendeiros se envolvem profundamente na questão do abate e em toda a carne que vai acabar apodrecendo. Assim, eles se ocupam de levar comida para os bairros mais pobres da cidade e assim alimentar a quem precisa. Mas isso não agrada a todo mundo, óbvio. Imagina o disparate de dar comida pra pobre?


Avaliação
Sandra Brown disse que esse livro começou como uma experimentação. Algo que estava na cabeça e que ela precisou sentar pra escrever. Entendo perfeitamente. Quando mostrou para o editor e perguntou o que achava, ele não pensou duas vezes e publicou. Como Água de Chuva é um livro sobre amor e compaixão. Não só um amor e compaixão entre um homem e uma mulher, ambos solitários e embrutecidos pela vida, mas a compaixão pelo outro. Seja uma criança autista, seja uma empregada pobre que passa fome em casa.

A autora foi cuidadosa nas descrições a ponto de fazer o leitor sentir o cheiro da roupa seca pelo sol no varal. É um livro sensível, bonito, com um enredo generoso. Deixo aqui cinco corujas para ele e uma recomendação para você ler também.

Título original: Rainwater
Ano: 2012
Páginas: 232
Editora: Rocco

Leia também!

1 comentários

  1. Olá. Fiquei curiosa e gostaria de saber se vou chorar muito com o final... kkkkk

    ResponderExcluir

Não se acanhe e deixe seu comentário.
Mas não aceito comentários esdrúxulos, ofensivos, com erros, preconceituosos... Ahh, você me entendeu.

Google+

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Resenhas

Sensacional!

Muito bom!

É bom...

Já li melhores.

Horrível