Resenha: O Filme Perfeito, de Jodi Picoult

quarta-feira, março 12, 2014

Ler um arquivo em PDF em um e-reader normalmente não é um sinônimo de boa leitura. Quem já teve essa oportunidade sabe o que estou falando: letras pequenas, necessidade de zoom, pouquíssima chance de customização do texto a ser lido. Em suma: é um pesadelo para um leitor que tenha a tecnologia como seu principal modo de leitura. Mas eu fiz... e não sei se me arrependo ou não.

O livro escolhido foi "O Filme Perfeito" de Jodi Picoult. E até agora não sei bem o que dizer.


O Filme Perfeito
Autor(a):
Jodi Picoult
Editora: Planeta do Brasil - 360 páginas
"A antropóloga Cassie Barrett é uma mulher feliz quando se casa com o talentoso, rico e charmoso ator Alex Rivers. É definitivamente o casamento dos sonhos, um filme perfeito aos olhos da apaixonada esposa. Porém o passado de Alex o atormenta, tornando-o agressivo e violento, direcionando a Cassie toda a sua ira. Assim que ela descobre que está grávida, contra a vontade de seu marido, precisa encontrar um modo de proteger a criança que espera antes que seja tarde demais. Dividida entre o medo e a lembrança do amor, Cassie precisa resolver questões que nunca imaginou enfrentar - Como poderia partir? Mas, por outro lado, como poderia ficar?"

Então, voltando ao assunto: eu li esse livro em um PDF maroto. Não é o meu método preferido, mas ver que se tratava de um livro da Jodi Picoult foi o que me atraiu o bastante para o sacrifício, já que eu gostei muito de "A guardiã da minha irmã". Portanto não posso dizer nada a respeito da procedência de sua tradução, e nem da organização. Talvez isso tenha atrapalhado bastante minha leitura já que consegui ter bons momentos de confusão.

A obra adota a narrativa em 3º pessoa e varia entre os personagens Cassie e Will (que não está na sinopse, porém aparece mais tarde e do qual sinceramente não faz grande diferença); Também há momentos no qual ele toma a narrativa em 1ª para a Cassie. Ele é bem narrado, mas sinceramente, não achei que foi uma boa história.

A escrita da autora é boa, o bastante para levar a história em frente, mas fiquei perdida durante a história pela falta de sentido de alguns personagens. Soou como se a autora tivesse tirado algo da cartola e colocado em prática para viabilizar ideias que talvez lhe soassem truncadas. Pelo menos para mim essa foi a impressão que tive de Will e de tudo que lhe dizia respeito. O livro me soaria bem melhor se a trama se concentrasse apenas em Cassie e em Alex. Will parecia alheio ao que estava sendo contado, como se estivesse em outro livro e de repente se visse em uma história totalmente diferente. E isso porque ele foi alçado a um papel de quase protagonista, mesmo sem ser citado na sinopse.

A trama, fora do que diz respeito ao Will, é interessante. Literariamente falando pelo menos, o assunto é sempre interessante de ser discutido, ainda mais quando um dos envolvidos é uma pessoa importante. Ou seja: um prato cheio para qualquer autor que se disponha a explorar, mas claro que há formas... e formas de se fazer isso.

A história flui, o que não quer dizer exatamente que seja boa. É uma boa para quem quer limpar a mente e se distrair com algo. É um livro que envolve, mas ao mesmo tempo é completamente dispensável. Não posso dizer que me arrependo de ter lido, mas certamente não foi uma das minhas melhores escolhas de 2014.

Duas corujas e olhe lá.

Leia também!

0 comentários

Não se acanhe e deixe seu comentário.
Mas não aceito comentários esdrúxulos, ofensivos, com erros, preconceituosos... Ahh, você me entendeu.

Google+

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Resenhas

Sensacional!

Muito bom!

É bom...

Já li melhores.

Horrível